A CNI (Confederação Nacional da Indústria) chamou de “grande retrocesso” a medida provisória 832 editada pelo presidente Michel Temer, que tabela os valores do frete para o transporte rodoviário de cargas. A crítica é feita em nota divulgada nesta 2ª feira (28.mai.2018). A MP faz parte das 5 medidas anunciadas na noite de domingo (27.mai) pelo governo federal para tentar cessar a paralisação de caminhoneiros.
Paralisação de caminhoneiros na rodovia Anchieta, em São Bernardo do Campo (SP) no domingo (27.mai
Roberto Parizotti/Fotos Públicas
Para a CNI, a fixação de preços mínimos é ineficaz e infringe o princípio da livre-iniciativa. “A medida não corrige o problema de excesso de oferta de caminhões no mercado”, diz a nota. A Confederação afirma que o tabelamento levará ao aumento geral de preços à população devido à alta dependência do transporte rodoviário do país. Leia aqui a íntegra do comunicado. “Além disso, de acordo com o Conselho Administrativo de Defesa Econômica (CADE), há um elevado risco de que a fixação de preços mínimos resultará na cartelização do setor, com consequências danosas para toda a economia“, aponta a CNI. A organização defende que apenas a retomada do crescimento pode reverter o atual quadro do setor de transporte de carga rodoviária. Dizem ser preciso enfrentar a questão tributária e não insistir em soluções paliativas. A CNI considera inadmissível o país ficar refém do movimento de caminhoneiros e pede que “a Presidência da República, o Congresso Nacional, o Supremo Tribunal Federal, o Ministério Público e a Procuradoria Geral da República, os governos estaduais e demais órgãos públicos se empenhem ao máximo para encontrar solução para essa grave crise, possibilitando que o país volte o mais breve possível à ordem e à normalidade”.

NOVAS PARALISAÇÕES SÃO “INACEITÁVEIS”

No mesmo embalo, a CNI soltou uma 2ª nota. Em tom ainda mais enérgico, defende a retoma imediata do abastecimento. A Confederação diz que não é hora para movimentos oportunistas. Leia aqui a íntegra. “Cada um precisa assumir a sua parte de responsabilidade para superar essa situação.  A prioridade deve ser o reabastecimento imediato e aceleração da discussão sobre os problemas estruturais do país, tais como revisão do papel da Petrobras, revisão tributária, reavaliação da matriz de transporte e investimento em infraestrutura.”

Fonte: Poder 360
ANA KRÜGER

Postar um comentário