O ministro Eliseu Padilha (Casa Civil) disse nesta 2ª feira (28.mai.2018) que a desmobilização nos protestos dos caminhoneiros está sendo dificultada por causa de infiltrados nos movimentos.
Sérgio Lima/ Poder360 - 27.mai.2018
Foto: Reprodução
“Sobre as paralisações, tivemos informações dos lideres de que muitas delas são de pessoas que não são caminhoneiros. Eles se infiltraram no curso com motivos fundamentalmente políticos para que paralisação não fosse levantada”, disse Padilha.

O ministro concedeu entrevista coletiva após reunião de 1 núcleo de emergência do governo que cuida da crise de combustíveis e da negociação com os caminhoneiros. Estava acompanhado dos ministros Carlos Marun (Secretaria de Governo) e Sérgio Etchegoyen (Segurança Institucional).

Padilha disse ao Poder360 que “agora é a vez” de os caminhoneiros “cumprirem a palavra” e cobrou os motoristas de se desmobilizarem.

Nenhum dos ministros deu prazo para a desmobilização e nem para a redução, na prática, do preço do óleo diesel. Disseram que dependerá de quando o combustível voltar aos postos.

Segundo Padilha, a informação sobre possíveis infiltrados foi trazida pelos próprios caminhoneiros e é alvo de investigação da Polícia Rodoviária Federal.

“Com relação a prazo [para a desmobilização], tivemos percepção de que nas concentrações havia muita infiltração. Nós vamos fazer de tudo [para combater] os infiltrados, que a gente sabe que é uma proporção muito grande, para que os caminhoneiros possam poder voltar a trabalhar pensando no suprimento da família brasileira”, disse Padilha.

Os 3 representantes do governo fizeram questão de tratar o acordo feito com o governo como “conquistas históricas”.

“As coisas precisam de 1 tempo. Estamos falando de dias para se amoldarem às decisões que já foram tomadas pelo governo. É 1 excelente acordo para os caminhoneiros brasileiros. Precisamos agora que a sociedade, que apoiou os caminhoneiros nessa conquista, não seja sacrificada [com o desabastecimento]”, disse Marun.

Fonte: Poder 360
GABRIEL HIRABAHASI

Postar um comentário