O deputado Ronaldo Fonseca (sem partido-DF), novo ministro da Secretaria Geral da Presidência, era 1 dos aliados do ex-presidente da Câmara Eduardo Cunha (MDB-RJ). Condenado na Lava Jato, o emedebista está preso desde outubro de 2016.
Ronaldo Fonseca, novo ministro do governo Temer, deu 1 parecer favorável a Eduardo Cunha, tentando salva-lo da cassação
Marcelo Camargo/Agência Brasil - 5.jul.2016
Fonseca foi escalado para dar parecer favorável a Cunha na CCJ (Comissão de Constituição e Justiça) em 2016, quando Cunha enfrentou o processo que culminou em sua cassação. Depois, também votou a favor de Eduardo Cunha na comissão.

O novo ministro tomou posse nesta 2ª feira (28.mai.2018). Substituirá o interino Joaquim Lima, secretário-executivo do ex-ministro Moreira Franco.

Fonseca é 1 dos líderes da Assembleia de Deus no Distrito Federal. Pessoas ligadas à instituição religiosa eram a maioria dos presentes em sua posse no Palácio do Planalto.

O ministério de Fonseca é o responsável pelo PPI (Programa de Parcerias de Investimentos), braço de privatização do governo Temer.

O agora ministro era filiado ao Pros e mudou para o Podemos na última janela partidária. Após a decisão de aceitar o convite para a Secretaria Geral, foi desfiliado pela presidente da legenda, deputada Renata Abreu (SP).

LIGAÇÃO COM CUNHA

O processo de cassação de Eduardo Cunha passou, primeiramente, pelo Conselho de Ética da Câmara. O resultado foi a favor da perda do mandato do emedebista (por uma margem pequena). Depois, o processo foi à CCJ (Comissão de Constituição e Justiça), onde Fonseca deu 1 parecer favorável ao aliado.

A defesa do emedebista pedia a anulação do resultado do Conselho de Ética. Fonseca concordou e disse que houve uma manobra ilegal por parte do então presidente do colegiado, deputado José Carlos Araújo (PR-BA).

No plenário da Câmara, Fonseca mudou sua posição e foi favorável à cassação de Eduardo Cunha.

CONTRA REFORMAS

O deputado foi contra a reforma trabalhista e se manifestou contra a previdenciária. Em 2017, chegou a ser punido por falar contra a reforma da Previdência.

À época, Fonseca criticou o governo por ter sido retaliado e disse que não mudaria sua posição após a demissão de seu indicado.

“Estão tratando os que tiveram indicados demitidos com infiéis. Fiz a opção de ser fiel aos trabalhadores, se isso significa ser infiel ao presidente Temer, paciência”, afirmou.

Fonte: Poder 360
GABRIEL HIRABAHASI

Postar um comentário