52ª fase da Lava Jato foi batizada de Greenwich
Sérgio Lima/Poder360
A PF (Polícia Federal) deflagrou na manhã desta 5ª feira (21.jun.2018) a Operação Greenwich, 52ª fase da Lava Jato. Mandados foram cumpridos no Rio de Janeiro e nos municípios do Recife e Timbaúba, em Pernambuco.

As medidas estão relacionadas com a investigação de crimes de corrupção e lavagem de dinheiro que envolvem o ex-diretor da Petroquisa, Djalma Rodrigues de Souza, e seus familiares. Rodrigues de Souza e seu filho, sem nome revelado, foram presos.

A ação desta 5ª é uma continuidade da 46ª fase da Lava Jato, deflagrada em outubro de 2016.

Nesta fase, as investigações apura crimes praticados em prejuízo de subsidiárias da Petrobras, como a Petroquisa (Petrobras Química S/A). A apuração aponta para a prática de crimes como fraude em processos de contratação das empresas das subsidiárias como corrupção, crimes financeiros e lavagem de ativos. O esquema já foi identificado em outras contratações tanto da Petrobras como das subsidiárias.

Segundo a PF, o grupo Odebrecht foi o maior favorecido na obtenção de contratos, em troca de repasses de recursos a funcionários da empresa por meio de entrega de valores em espécie ou de remessas para contas bancárias no exterior.

O nome da operação –Greenwich– remete a uma das contas bancárias mantidas no exterior e destinada ao recebimento de valores indevidos e transferidos pelo grupo Odebrecht a funcionários de subsidiárias da Petrobras em troca de interesses do grupo empresarial nas contratações.

Quarenta policiais federais cumpriram 11 ordens judiciais, sendo 1 mandado de busca e apreensão e 1 de prisão preventiva no Rio de Janeiro; 7 de busca e apreensão e 1 de prisão temporária em Recife; e 1 mandado de busca e apreensão em Timbaúba.

Os presos serão escoltados para a sede da Polícia Federal em Curitiba onde permanecerão à disposição dos juízes da 13ª Vara Federal.

Fonte: Poder 360

Postar um comentário