Em jogo nervoso, time de São Januário vê técnico Valentim ser expulso e cai por 1 a 0
Alberto Valentim reclama com o árbitro Wilton Pereira Sampaio após ser expulso Foto: Renato Gizzi/Photo Premium
Mostrando volume de jogo, mas aparentando estar com a cabeça fora do lugar, o Vasco quase repetiu neste sábado contra o Corinthians, o roteiro das últimas duas rodadas. Só que o problema, desta vez, não foi gol no final, e sim no início do segundo tempo. Quando o ex-vascaíno Mateus Vital fez 1 a 0, aos cinco minutos, o técnico Alberto Valentim já não estava mais à beira do campo para ajustar o time. Foi expulso no intervalo, após se irritar, segundo ele com o próprio time, numa marcação de escanteio.

— Ele (o árbitro Wilton Pereira Sampaio) tem bronca de mim, de quanto ainda estava no Botafogo e deu um pênalti inexistente para o São Paulo. Por isso me expulsou — reclamou Valentim.

O desabafo do treinador, depois de um primeiro tempo destemperado na área técnica, retratou um Vasco que jogava no seu limite de estresse e de esforço físico.

O Vasco não foi, em momento algum, dominado pelo time da casa, que mal conseguia manter superioridade na posse de bola. Kelvin e Yago Pikachu, cada qual por uma ponta do ataque, assustavam Cássio no primeiro tempo. Thiago Galhardo distribuía contagolpes ameaçadores, e Andrés Rios, se não brilhava, tampouco comprometia as tramas ofensivas.

O time carioca seguiu atacando depois do gol de Mateus Vital, que aproveitou um estático Raul, improvisado na lateral direita, para cabecear cruzamento de Fágner. Mas o que dava ritmo às pernas vascaínas era o estresse emocional, influenciado por uma zona de rebaixamento que se aproxima mais ainda com a derrota em São Paulo. Dois cartões amarelos foram dados ao Vasco: um por cera de Fernando Miguel, aos 26 minutos de jogo, e outro por reclamação de Leandro Castán — que deu cabeçada perigosa aos 35 da etapa final.

Depois houve tempo para reclamar de novo, desta vez com razão, de um pênalti de Danilo Avelar em Marrony, ignorado pelo árbitro. Com tons de crueldade, o zagueiro Henríquez acertou o travessão nos acréscimos. Após o apito final, Kelvin partiu para cima de Fágner e a torcida vascaína brigou com a polícia.

Menos mal para o Vasco que o Vitória perdeu para o Atlético-PR em casa, por 2 a 1. O time carioca só termina a rodada no Z-4 se a Chapecoense vencer e Ceará e Sport não perderem. A tabela a partir daí é ingrata: São Paulo, Palmeiras e Ceará, este último fora de casa. Para não repetir erros do passado, ao Vasco só resta olhar para frente.

Ficha do jogo

Corinthians: Cássio , Fagner, Léo Santos, Henrique e Danilo Avelar; Ralf, Thiaguinho (Araos), Mateus Vital (Clayson), Jadson e Pedrinho; Danilo (Roger).

Vasco: Fernando Miguel, Raul (Caio Monteiro), Henríquez, Leandro Castan e Henrique; Desábato, Andrey (Dudu), Thiago Galhardo e Pikachu; Kelvin (Marrony) e Ríos.

Gol: 2T: Mateus Vital, aos 4 minutos.

Juiz: Wilton Pereira Sampaio (Fifa-GO).

Cartões amarelos: Fernando Miguel, Castan, Jadson e Fagner.

Público: 38.605 pagantes.

Renda: R$ 1.350.667,50.

Local: Arena do Corinthians.


Fonte: O Globo
Bernardo Mello
17/11/2018 - 21:08 / 17/11/2018 - 21:21

Postar um comentário